domingo, 29 de janeiro de 2006

Pompa e Circunstância

Que noite descomunal.
O 'chêro' a mofo era uma constante. Tanto cachecol "naftalinado" por aí; há tanto tempo que não via largatixas a saírem da toca todas inchadas apesar do tempo horrível que se fazia sentir.
Foi bonito. Pena não ter a máquina fotográfica comigo: seria uma recordação para a posteridade!
Bem, que lê isto até pensa: "Que «ganda» dor de cotovelo!", pois mas não batam já palminhas de alegria que levam é a bicicleta sem celim... Enganam-se os que pensam que ligo patavina a coisas desse calibre, mas há que admitir que foi bem hilariante. Os gritos de golo e o tomá lá dá cá, o ouviste Simão, enfim... Sou somente uma mera espectadora que se regozija!

sábado, 28 de janeiro de 2006

Sábado de manhã

Manhã de Sábado... E o relógio ainda não soou as nove horas.
É uma manhã fria, como tantas outras. O café, esse meu fiel aliado, aquece-me o espírito enquanto sustento o cérebro com as perturbantes notícias que flutuam no jornal. É esse o meu dia-a-dia.
Contudo, nem tudo é mau. Os meus laços familiares aumentaram. Neste momento sou a Mamã orgulhosa de uma tartaruga doméstica de barriga amarela (nelsonis), e é um docinho aquela criatura! Baptizei-o de Charles (Charlie para os amigos!) e estou à espera duma companheira, a futura Miss Marilyn.



terça-feira, 24 de janeiro de 2006

A 'dolorosa'

Pois é, passado uns meses é tempo da dolorosa se fazer sentir... A afamada época de exames que, alguns de nós, tanto ansiamos ou detestamos... Nove frequências para acalmar o grelo do pessoal, upa upa!
Mas falando doutros assuntos...! A semana é gerida somente por um acontecimento, as eleições do passado Domingo, dia 22 de Janeiro de 2006. Ao que parece aquilo que era mais previsto acontecer, bem, realmente aconteceu, por mais incrível que isso possa parecer. *not* Parabéns ao Prof. Aníbal Cavaco Silva por ter conseguido comer a cereja do bolo... Agora só espero que ele não se engasgue com o caroço da mesma!






quinta-feira, 12 de janeiro de 2006

O Estado é o Maior!

Ai como é doloroso viver em Portugal... Ou então, muito simplesmente, devo estar no ramo errado. Quando me deparo com o facto de ter o depósito do carro praticamente vazio fico terrívelmente chateada por viver nos arredores da capital... Ai como gostava de viver perto de Badajoz! Aqueles espanhóis por vezes até têm coisas boas, sejam os caramelos ou o combustível. Quando me recordo que por cada euro (eu já nem arredondo para o preço corrente da gasolina...) gasto por nós, pobres automobilistas em gasolina, mais de 70 cêntimos revertem para os cofres do Estado... Ora bolas! Enfim, divagações e somente isso, pois disso nunca passarão. É o país em que vivemos... Há quem se lamente, há quem conduza um Porsche...